Junho 21

Reconciliação: Clubes de paz liderados pela Igreja constroem reconciliação em Moçambique

A reconciliação e a construção da paz estão no centro da missão da igreja anglicana em todo o mundo. Os líderes e membros da igreja estão frequentemente a trabalhar de forma sacrificial para reunir as comunidades e ajudar as pessoas a encontrar formas de viver em paz, bem como a apoiar as vítimas de conflitos. Este ‘amor em acção’ é uma forma de mostrar o amor de Deus pelo mundo de uma forma prática.

“Quando a violência aumentou em Moçambique em 2017, a igreja anglicana e outros líderes religiosos reuniram-se para discutir o que poderiam fazer na crise. A insurreição no nordeste do país já tinha ceifado milhares de vidas e levado a quase meio milhão de pessoas a fugir dos combates. A Igreja queria responder para ajudar as comunidades apanhadas no meio do conflito e para proteger aqueles que tinham sido forçados a abandonar os seus lares.

O Bispo de Nampula, o Reverendo Manuel Ernesto, convocou os líderes religiosos para que pudessem trabalhar em conjunto para ajudar as suas comunidades.
Ele disse: “”Chegámos à ideia dos Clubes de Paz que são uma plataforma comunitária que reúne os líderes religiosos do conselho cristão, do conselho muçulmano e dos líderes tradicionais para proporcionar um espaço seguro para as questões a serem ventiladas. Estamos também a tentar construir o diálogo comunitário””.

Disse que os Clubes proporcionavam um lugar para as pessoas partilharem informações, combaterem rumores e permitirem que as divisões fossem ultrapassadas. “”Estamos a encorajar as pessoas a partilharem histórias e a documentarem essas histórias””.

“”Estamos também a envolver os nossos líderes nacionais, porque descobrimos que existe um fosso entre as nossas entidades nacionais e as nossas comunidades””, disse o Bispo Manuel.

A região, conhecida como Cabo Delgado, que significa literalmente ‘capa esquecida’, tem-se sentido isolada e esquecida pelas potências nacionais, com a sensação de que o investimento internacional é canalizado para fora da região. Os líderes temiam que uma maior instabilidade e um afluxo de pessoas deslocadas aumentasse o estigma negativo da região.

Os Clubes da Paz oferecem uma forma de enfrentar estas queixas e de as alimentar junto das organizações nacionais. “”Somos uma espécie de ponte entre o que está a acontecer a nível nacional e o que está a acontecer a nível comunitário””, disse o Bispo Manuel.

Os Clubes da Paz, que são grupos comunitários inter-religiosos e mistos, estão a trabalhar bem com parceiros internacionais e ONGs que oferecem ajuda e são capazes de a direccionar para as áreas mais necessárias. Eles também ajudam a construir confiança e fortalecem os relacionamentos, uma vez que oferecem apoio tanto físico como psicológico às pessoas deslocadas e às suas comunidades de acolhimento.

A rede do clube da paz pode também recorrer a ligações eclesiásticas através do Ruanda, Tanzânia, África do Sul e Malawi para trocar informações e partilhar as melhores práticas sobre respostas baseadas no diálogo à insurreição. Ao partilharem informações e histórias, são capazes de combater a desinformação e construir uma análise comum da estrutura, liderança, financiamento e objectivos da insurreição.

Existem actualmente cerca de 95 Clubes da Paz a operar em todo o país. A iniciativa de paz baseia-se numa longa história de construção da paz liderada pela igreja em Moçambique, o que permitiu que a guerra civil com a Renamo terminasse num acordo de paz.

Com o apoio do Arcebispo de Canterbury, a esperança é que a ONU em breve apoie este trabalho com um financiamento inicial de dois anos. Este seria o primeiro financiamento de uma parceria da ONU para a construção da paz com líderes religiosos locais.


Tags


You may also like

{"email":"Email address invalid","url":"Website address invalid","required":"Required field missing"}

Subscribe to our updates now

Enter your details below and we'll keep you in touch with the conference as well as sharing resources and news about the event.